28 de janeiro de 2009


MUTANTE


Um tanto incrédula, pasma e desconfiada
Eu me protejo de teus olhos que me despem,
No entanto, não fujo, fico assim anestesiada
Absorvendo sentimentos que os momentos tecem.

Tua voz ironiza e sorri de minha fortaleza,
E teus dedos displicentes desenham abstratos
Nos meus braços inertes que se esquivam da beleza
De emoldurar carícias retribuindo teu contato.

E então no meu ouvido, pela primeira vez
Escuto alguém pedir minha fragilidade,
Alguém querer de mim o frágil, a instabilidade,

Alguém que me vê , transpondo meu espelho,
Um mutante que chega desavisado e irreverente
Que não quer nada...só minha vida de repente!

Ana Luiza (coisas de Ana)

CORAÇÃO TRESLOUCADO


Desacelera coração, não corras tanto
Como um fugitivo de prisão perpétua
Ao encontrar a fresta de uma porta aberta
Dispara alucinado buscando a luz da rua.

Insano coração, desacelera , toma jeito
Respira fundo, fica quietinho, acomodado
Vais implodir esse muro que é meu peito,
Insistindo em resguardar um ser amado.

Se queres bater forte, faça um samba quente
Prá que eu possa sambar os versos meus,
Samba canção, mais suave, sem adeus...

E então, assim bem com(passado)
Faz-me serenar essa saudade imensa e louca,
E vai dizer a ele, o quanto já foi meu!

Ana Luiza (coisas de Ana)
UM MINI POEMA...



uma gota de orvalho no sereno
uma lua em pleno temporal
as pétalas a dançar no vendaval
o canto da cigarra em sol a pique
a nota musical do alambique
o farpado do arame em roseiral...
o cabelo sobre o travesseiro
a marca de batom no copo qual luzeiro
o guardanapo que envolveu a mão...
o sapato sem passo, descansando
a nudez vestida de sentido
o toc toc das horas no vazio...
coisas que vão minimizando o verbo
tecendo poemas que só eu enxergo
no mini mundo interno que sou eu!


Ana Luiza (coisas de Ana)

NOITE DE REIS

Quem são eles que como os magos seguem
Acendendo lamparinas nos desertos do sentir,
Perseguindo estrelas mesmo que eles neguem,
Chegam e ofertam , o próprio dom a dividir.

Trazem nas mãos folhas em branco, qual tesouro
E nos olhos o horizonte das emoções vividas,
Na memória, histórias que reluzem feito ouro
Na voz o tom que dá forma a muitas vidas.

No peito uma marca translúcida, intransferível
Na dor e na alegria, até que a morte os silenciem
Não calam, escrevem e reescrevem, inconfundíveis.

Nascem assim , predestinados e teimosos a nutrir
Esse código da sensibilidade que Deus fez existir
No coração de cada homem...São poetas!

Ana Luiza (coisas de Ana)

DESCASO


Mudei a paisagem, a cor do batom, enfim
Ousei uma nova cor, forte, nem pareço eu
Me espionando, testando coisas em mim
Divertido, abusivo , algo que cedeu...

Quem se importa ?

Super interessante, envolvente, faiscante
Personagem imprevisível na taça de gim
Sentimento guardado , cenário estonteante
Música, dança e o desejo de só dizer sim

Quem se importa ?

Sou pega pelas paredes espelhadas, âmbar
Meu rosto jogado a olhar atônito e a gritar
Pára ! O momento é cruel, isso é fugaz...

Já nem entendo mais nada, quero deixar-me
Ali no descabido palco da ironia e da revolta
É madrugada, voltei a mim, isso que importa!

Ana Luiza (coisas de Ana )